POSTED ON domingo, 10 de abril de 2016 AT 21:14 \\
Ás vezes paro no tempo. As tempestades na minha mente acordam-me. Levam-me para caminhos sem fim, corredores vazios e escuros. Estas profundezas escondem segredos capazes de destruir as nossas almas. Tentei bloquear estas tempestades, pequenas tormentas, focando.me  nas minhas melhores memórias. Sinto-me a balanças, algo faz força para que continue na escuridão. Luto, luto e luto, mas em vão. Não sei como lutar contra isto, uma boa dose de morfina talvez. Tantas voltas e voltas, e nenhuma porta aberta com a solução.

monthly archives